terça-feira, março 15, 2005

Um País Bestial

O Ambiente é para nós, portugueses, um conceito difuso: abraçamo-lo no sentido lato, renegamo-lo no particular, na aplicação concreta, sobretudo se ela nos toca na carteira ou no bem-estar.
Co-incineração? Com certeza, mas lá para Souselas ou Maceira. Transportes privados sobretaxados? De acordo, mas não em Lisboa ou no Porto. Cumprimento de Quioto? Sim, mas no espírito do protocolo – não nas metas.
Somos assim, somos incorrigíveis. Nobre Guedes percebeu-o bem. O país aplaudiu o ministro aparentemente corajoso, que pareceu combater os lobbies instalados, que cortava a eito e que defendia cerradamente essa categoria difusa, que é o Ambiente e Bem-estar. Alguém recorda uma medida concreta – uma só – do ministro do CDS-PP? Duvido. Aplaude-se a forma, esquece-se o conteúdo.
Escrevo estas linhas na sequência do noticiário do fim de semana. Três notícias motivaram ampla reflexão:
1) Uma carta no "Público" de ontem, de um leitor identificado, culpava os ambientalistas pelo problema da seca. Cito de cor, mas fiel à ideia original: foram os ambientalistas que travaram e a barragem do Alto Côa; são eles que querem impedir agora o projecto do Sabor. De onde se conclui, através deste raciocínio peregrino, que é nas barragens que se encontra o problema da seca. Restou talvez inquirir o leitor sobre o que acontece quando o caudal das barragens se esgota...
2) Uma outra carta – já não consigo precisar, mas julgo que a li no "Expresso" – fala de barragens, mas pretende enfatizar o exemplo espanhol. Conta o leitor que os espanhóis construíram barragens em degrau, absorvendo águas pluviais (!) e assegurando albufeiras maiores (irra!). Poderia o leitor invocar – não o fez – que o Plano Hidrológico de meados dos anos noventa foi mal negociado e poderá, em breve, trazer-nos amplos dissabores. Mas a profundidade da argumentação resumia-se ao fascínio pelas estruturas em degrau dos espanhóis.
3) Já não sobre Ambiente, mas vale a pena incluir uma última nota. Leio na generalidade da imprensa que o Instituto Nacional de Aviação Civil não tem capacidade para controlar voos privados e que mais de cinco dezenas de pistas no Alentejo podem estar a ser usadas para fins ilícitos. Um escândalo! Aqui d'el rei, gritamos, chocados, quando expostos perante uma lacuna particular.
É impensável admitir o conceito de um espaço aéreo sem controlo, tal como uma costa marítima não patrulhada ou, na melhor das hipóteses e se quisermos ser benevolentes, mal vigiada.
Desconfio que o português não se aborrece com a irregularidade, não a procura descortinar no quotidiano. Choca-se, isso sim, quando lhe contam as irregularidades. Então sim, barafustamos, queremos saber das barragens (com e sem degraus, com ou sem escadas rolantes), da seca, das vigilâncias. Exigimos dos outros a disciplina que não temos. E protestamos. Isso fazemos bem!…

2 comentários:

Anónimo disse...

Acho que só alguns protestam. A esmagadora maioria, quando o faz, faz barulho. OLima (ondas2.blogs.sapo.pt)

Joao Soares disse...

Claro que há o entusiasmo e há o protesto, mas acrescento mais uns aspectos fruto da actividade docente, também.
Sabes e eu falo das escolas, que a este nível a luta ambiental e por
questões mais comezinhas como mudar hábitos- redução de lixo, uso de materiais
reciclaveis, habitos alimantares saudáveis é uma constante e muito poucos
professores nos apoiam...mesmo os que já tenham feito algumas acções de
formação nessas áreas...dpois há como muito bem sabemos o desalento de muitos
educadores: mal pagos, estão entre os funcionários públicos que pagam sempre a
crise provocada por poucos: os senhores do futebol, das comunicações e da
imobiliária.
Contudo e neste ponto vou acrecentar mais algumas críticas do "ser português" há o azedo provincianismo, a reticência pelo novo, as intrigas....um
autentico desepero!!
Tenho conseguido alguma coisa é certo, mas sempre com um
pequeno grupo - ou de alunos ou de professores, mas sempre "pequenino" porque
muitos pensam "pequeno"....desabafos
Um abraço bioterra