segunda-feira, maio 22, 2006

Jeitos


Terrivelmente desfocados por inépcia do fotógrafo, Guilherme Oliveira Martins, António José Teixeira e Marcelo Rebelo de Sousa.

Admito que nunca tinha escutado Marcelo Rebelo de Sousa (MRS) ao vivo. Fiquei desiludido.
Reconheço também que nunca tinha escutado Guilherme Oliveira Martins (GOM) ao vivo. Fiquei francamente agradado.
A pretexto dos 135 anos das Conferências Democráticas de 1871, ditas do Casino, o Centro Nacional de Cultura organizou ontem, no Centro LiberOffice, ao Chiado, a primeira conferência do casino do século XXI. Mais de cinco dezenas de pessoas encheram a sala, porventura guiadas pela aura lendária do orador principal. Arrisco que algumas, no final, tenham ficado convertidas à capacidade de GOM, ele sim, legítimo palestrante da causa e, já agora, herdeiro directo de um dos oradores oitocentistas.
É certo que MRS é charmoso. É divertido. A espaços, provocou gargalhadas, ora comparando os casinos de Lisboa de 1871 e de 2006 ("muito menos controverso o do século XIX"), ora rapidamente transformando o incómodo de um toque de telemóvel num momento de pausa e descontracção. Mas MRS deixou transparecer a ideia (porventura injusta) de ter aterrado no Chiado de pára-quedas. De ter escutado vagamente o que os oradores anteriores disseram e de ter escrito apressadamente, no verso de um guardanapo, meia dúzia de ideias-fortes para a sua intervenção. É certo que meia dúzia de linhas chegam, e sobram, para MRS discorrer longamente sobre Portugal, a modernidade, a descolonização, a linhagem de GOM (palavra!) ou o pedigree dos Rebelo de Sousa (aqui, reconheço, já há exagero da minha parte).
Oliveira Martins fez o contrário: leu efectivamente os relatos das velhas conferências. Divertiu a audiência (António José Teixeira, inclusivé) com passagens de jornalismo arcaico do "Diário de Notícias" (seriam assim tão arcaicas?). Encontrou trechos simbólicos das intervenções de António Sérgio, de Eça e sobretudo de Antero de Quental. Fez a sala pensar com passagens de inquestionável actualidade e com textos inevitavelmente datados. Quase que garanto que o fantasma de Antero, seguramente presente na sala, cofiou lentamente a barba enquanto anuía, pensativo.
E assim se reiniciaram as conferências do Casino.
Dei por mim, minutos mais tarde, na Bertrand, a comprar as "Odes Modernas" de Antero.

3 comentários:

bolotavoadora disse...

Venho sugerir uma visita ao meu blog, luto pela criação de ciclovias no meu concelho (entre outras coisas).
Gostaria de contar com o vosso apoio, incluindo-me na vossa lista de (links) blogs, já consta da minha lista.
Abraço.

Ponto Verde disse...

A opinião politicamente incorrecta sobre habitação social hoje no www.a-sul.blogspot.com

Um caso concreto em www.pinhalfrades.blogspot.com

José da Silva Maurício disse...

.
POEMA:

Oh Mar oh Mar.
Porque é que os Portugueses
Não aproveitam a ENERGIA INFINITA DAS TUAS ONDAS?
Resposta do Mar: Eles têm medo de mim e preferem comprar energia a Espanha.

Fim do Poema.

E agora,

Olá Bloguer. Não há para aí uns artigos sobre ENERGIA SOLAR ?!?!?!

CONCURSO SOLAR PADRE HIMALAIA - Edição 2006: Divulgação das ENERGIAS RENOVÁVEIS.

Em http://www.cienciaviva.pt/rede/energia/himalaya2006/home/

Ou em http://www.cienciaviva.pt/home/ / Concurso Solar Padre Himalaya / Uma iniciativa da SPES para a divulgação das energias renováveis, com o apoio da Ciência Viva.


CURIOSIDADE: Uma Cidade Renovável. Ver http://www.energiasrenovaveis.com/html/canais/cr/cr.htm


PROPOSTA DE MELHORIA:

As praias da costa Portuguesa estão a ser “comidas” pelo mar.

Construam DIQUES PROTECTORES que sejam PLATAFORMAS GERADORAS de ENERGIA DAS ONDAS.


Braga, 19.4.2006

Divulgação das ENERGIAS RENOVÁVEIS. Concurso Solar Padre Himalaya.
mauricio_102@sapo.pt